03 janeiro, 2010

País alcança situação demográfica ideal para crescimento econômico

Disponível em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100103/not_imp489825,0.php. Acesso em: 03/01/10 - por Leandro Modé

Brasil já tem dois trabalhadores para cada idoso ou criança, condição que só acontece uma vez na história

Um dos fatores estruturais que explicam o otimismo dos investidores internacionais com o Brasil atende
por uma expressão ainda pouco conhecida que, à primeira vista, soa quase como charada de jogo de tabuleiro: bônus demográfico.

Em síntese, trata-se de um período no qual a população economicamente ativa supera largamente a de dependentes, composta por idosos e crianças. Segundo especialistas, é uma condição propícia ao desenvolvimento de uma economia.

"O Brasil do início do século 21 passa por uma combinação entre uma estrutura demográfica e uma estrutura social que realçam uma proporção da população em idade em que o retorno social e econômico das pessoas é maior", explica o professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), José Eustáquio Diniz Alves.

Nesse contexto, diz o professor, "a população não é um entrave, mas sim um fator impulsionador da "decolagem" do desenvolvimento".

O País chegou ao bônus demográfico porque a taxa de natalidade caiu fortemente a partir do fim dos anos 70, em uma velocidade maior do que diminuiu a taxa de mortalidade. Ou seja, com o passar dos anos, a soma de idosos e crianças se tornou bem menor do que o total de pessoas na ativa.

Dados compilados pela professora do instituto Insper (ex-Ibmec São Paulo) Regina Madalozzo, a pedido do Estado, mostram que, em 1950, as crianças e os idosos, juntos, representavam 44,6% da população brasileira. Os adultos (pessoas entre 15 e 60 anos) eram 55,4%. Em 2010, a proporção é de 32,4% e 67,6%, respectivamente. O auge do bônus demográfico deve ocorrer por volta de 2020, quando a proporção de adultos deve alcançar 70,4% do total.

Outra forma de entender o assunto é olhar a proporção entre pessoas ativas e inativas. Segundo Alves, na década de 70, cada pessoa na ativa era responsável por uma inativa. Hoje, essa relação é de uma para 0,50.

CRESCIMENTO

Dois exemplos citados pelo especialista dão a dimensão da importância dessa condição para o crescimento econômico. Segundo ele, a reconstrução da Europa e do Japão, no pós-guerra, foi facilitada porque ambas as regiões passavam por um bônus demográfico.

O professor do Ence também faz um alerta. "Em qualquer país, só se pode usar uma vez o bônus demográfico. No entanto, essa janela de oportunidade de nada adiantará para a solução dos problemas sociais se o Brasil não for capaz de absorver a mão de obra disponível e incentivar as potencialidades da alta proporção de pessoas capazes de contribuir para a elevação da produção e da produtividade."

EDUCAÇÃO

Como diz o professor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da Universidade de São Paulo (USP) Marcos Rangel, "não há um receituário médico para aproveitar o bônus demográfico para crescer".

Ainda assim, os especialistas avaliam que é vital o país que passa por um bônus demográfico ter políticas de emprego, educação e saúde.

Rangel observa que esse é um período mais propício para, por exemplo, discutir a qualidade da escola no País.

"Imagine que os recursos públicos que antes iam para a construção de escolas agora podem ir para insumos que façam com que a aprendizagem realmente aconteça dentro daquelas construções", pondera.

BOMBA RELÓGIO

Os especialistas também chamam a atenção para o momento pós bônus demográfico, especialmente no que se refere à sustentabilidade do sistema brasileiro de previdência.

"A bonança não pode ser para sempre. Os jovens de hoje vão virar a massa de trabalhadores que vai ter de conviver com uma grande massa de idosos", diz Rangel. "Se os cofres públicos precisam das contribuições correntes para custear os benefícios, o bônus também é uma bomba relógio."

A professora Regina vai na mesma linha. "Falamos da necessidade de reforma do sistema previdenciário há 15 anos. Os governos reconhecem o problema, mas ninguém faz", pondera.

"Por ora, não reformar é um custo político. Mas, em breve, passará também a ter um custo econômico", ressalta a professora do instituto Insper. "Imagine o que aconteceria se pessoas que já estão velhas enfrentassem um calote."


0 comentários:

Assuntos Pesquisados

Previdência Complementar (60) Educação (36) Consumidor (27) Longevidade (27) Previdência Social (27) noticias_previdenciasocial (27) Orientação para Consumidores de Produtos Previdenciários ou Serviços de Saúde (23) EAPC (17) Educação Financeira (17) noticias_efpc (16) Mercado Segurador (15) Opinião (14) Projeto de Pesquisa (12) Investimentos (11) Tecnologia (11) noticias_saude (11) Metodologia Científica e Técnicas de Pesquisa (10) Projeto de Monografia em Atuária (10) Sistemas de Saúde (10) dicas (9) noticias_atuario (9) Mercado de Trabalho (8) Remuneração do Atuário (8) Arquitetura de Planos de Benefícios Previdenciários (7) Orientação de Monografias (7) Previdência Social de Outros Países (7) noticias_economia (7) Previdência Complementar do Servidor Público (6) Saúde (6) Força da Natureza (5) Artigos relacionados à Atuária (4) FundamentosAtuaria_TextosAdic (4) Funpresp (4) Notícias sobre Investimentos (4) Premissas Atuariais (4) Metodologia Cientifica (3) O Atuário (3) Orientação para Consumidores de Produtos Previdenciários (3) Pesquisa (3) fator previdenciário (3) linguagem (3) matematica atuarial (3) Atuário (2) Cursos de Ciências Atuariais - notícias (2) Equilíbrio Emocional na Aposentadoria (2) Modelos de Sobrevivencia e Tecnicas de Graduacao (2) Previdencia Social e Complementar (2) Previdência Complementar Fechada (2) Softwares (2) Tipos de Conhecimento (2) noticias_assistenciasocial (2) ALM (1) Acordos Previdenciários (1) Bom humor (1) Gestão de Riscos (1) IBA (1) Legislaçao Previdenciária (1) Migração de Planos de Benefícios (1) Orientação para Consumidores de Serviços de Saúde (1) Premiações para Alunos de Atuária (1) Previdência Complementar Aberta (1) Previdência Social e Complementar - Apoio (1) Regulação da Profissão de Atuário (1) Resseguros (1) Saúde Pública (1) Visão crítica da Previdência (1) auxílio-doença (1)